Paloma Bosquê

Sobre

1982, vive e trabalha em São Paulo

Sua pesquisa baseia-se principalmente em sua prática diária no estúdio. Lá, ela lida e associa livremente materiais que não são típicos da escultura, criando composições de diferentes formatos e escalas. Em uma busca constante por um equilíbrio possível e consensual entre seus elementos selecionados, a artista geralmente desenvolve métodos específicos para combinar, justapor e mesclar materiais sem nunca forçá-los a uma interação definitiva. Experimentando a textura, o peso e o equilíbrio de seus materiais, Bosquê cria paisagens visuais extremamente delicadas que exploram a transitoriedade da matéria e da impermanência. Suas obras nos lembram a fragilidade dos acordos que unem tudo o que consideramos permanente ou definitivo.

 

Exposições individuais recentes incluem In the Hot Sun of a Christmas Day, Mendes Wood DM, NY (2019), Oco e a Emenda, Pavilhão Branco, Museu da Cidade, Lisboa (2017); Field, Mendes Wood DM, São Paulo (2016); O Incômodo, Pivô, São Paulo (2015). Além disso, seu trabalho foi incluído em exposições coletivas institucionais como o Brasile. Il Coltello Nella Carne, Pac – Padiglione d’Arte Contemporanea, Milão (2018); Bienal de Coimbra, Coimbra (2017); Teatro Mycorial, Pivô, São Paulo (2016); Projeto Piauí, Pivô, São Paulo (2016); Roberto Burle Marx: Modernista Brasileiro, Museu Judaico, Nova York (2016); Estados Unidos da América Latina, Museu de Arte Contemporânea Detroit, Detroit (2015).

 

http://www.palomabosque.com/