Artistas selecionados Pivô Pesquisa 2020 Ciclo II

28/05/2020, 19:10

Artistas selecionados Pivô Pesquisa 2020 Ciclo II

Ana Almeida

Bruna Kury

Christian Salablanca Díaz

Érica Storer de Araújo

Iagor Peres

Pepi Lemes

Vita Evangelista

Yhuri Cruz

 

O Pivô dá as boas vindas aos artistas selecionados para o segundo ciclo de residências do Pivô Pesquisa 2020 que será realizado entre 30 de junho e 21 de setembro de 2020. Seguindo o formato do primeiro ciclo do ano, o programa será realizado em modo remoto, com uma série de atividades – encontros, grupos de trabalho, palestras – desenvolvidas para e no território digital. A participação no programa é gratuita.

 

A curadora e crítica de arte Clarissa Diniz foi a profissional convidada pelo Pivô para participar do processo seletivo e coordenar este ciclo, que conta com um número menor de artistas em comparação aos anos anteriores. A redução de 12 para 8 residentes foi baseada na experiência do primeiro ciclo realizado no ambiente digital. Clarissa  acompanhará o trabalho dos residentes durante o período de 3 meses, elaborando junto à equipe do Pivô um programa que articula dinâmicas de criação e de interlocução coletivas e individuais. A curadora explica:

 

Como o distanciamento fatalmente constrange nossos corpos, torna-se ainda mais urgente a responsabilidade social, política e ética de friccionar as práticas e os sistemas que historicamente os têm mantido em separado. Ao convidar não-residentes em São Paulo para elaborar e integrar o Programa – bem como ao não depender, econômica e simbolicamente, da presença na capital paulistana como condição para a participação –, o Pivô Pesquisa deseja fomentar, através da internet, trocas transversais entre artistas de interesses e de condições por vezes assimétricas entre si.

 

Além de nos dedicarmos a conhecer e a colaborar com reflexões acerca das pesquisas de cada participante, pretendemos experimentar os modos pelos quais essas trocas virtualmente circunscritas inventam e tensionam nossos corpos, subjetividades, alteridades e obras. Desafios disparadores – como a tentativa de não nos restringirmos ao textocentrismo – esperam se juntar às inquietações e aos desejos dos participantes, configurando um espaço-tempo que, além dos já conhecidos acompanhamentos curatoriais, programas públicos e visitas a ateliê, possa também ser permeado por experimentos de criação e de coletividade.”