Thalita Hamaoui

28/11/2018, 17:11

Impermanência

A condição daquilo que não dura, que é permeado por instabilidades e segue um curso incerto. Condição de uma existência liquida, que se perde ao longo do caminho rumando ao desfecho, ao mesmo tempo que renova o mundo. Respirando. A inspiração termina, a expiração termina. Olhando à volta. Ouvindo os sons. Percebendo nossos pensamentos. Nada é fixo. Nada é permanente. Até o silêncio é movente…

Rupturas históricas são respostas da Impermanência frente à estabilidade de uma época, é o golpe do tempo sobre as expectativas humanas e o sorriso do imprevisível. E o que mais esperar de nós? Até onde vai a nossa capacidade de acreditar nas histórias que nos contamos?

 

“Tudo que começa, termina.” (De Xaquiamuni Buda)
“Tudo que termina, começa.” (De Monja Coen)

 

Da paisagem, do ar, das águas.

Dentes, explosões, raízes, vulcões, nuvens, neblinas, penas, cristais, vísceras, intestinos, fantasmas, véus, origem, futuro, cascas, fosseis, o cru, a essência, o sonho e o desejo.

Tornam-se refugio ou lugar de possibilidade,

Fendas para mundos possíveis,

Uma narrativa que se movimenta entre o caos e a esperança.