Ensaios Visuais

Denis Rodriguez e Leonardo Remor

05 abr, 18h30


EM NOME DA ARTE

O que buscam esses comerciantes ao colocarem a palavra ARTE no letreiro de seus estabelecimentos comerciais além do habitual fetichismo das mercadorias ali vendidas? Por que um padeiro de Belém batiza seu negócio como PÃO COM ARTE? Seria em razão dos altos custos do negócio localizado na fachada de um shopping center? Arte é gourmet?

“O valor jamais é uma propriedade inerente aos objetos, mas um julgamento que os sujeitos fazem sobre eles”, já explicava Georg Simmel em sua “A filosofia do dinheiro”, de 1907. O sistema de arte entende essa lógica capitalista de que o valor de um objeto vai além do seu valor de uso e de troca. Sabemos também que esse valor simbólico é atribuído tanto ao objeto de arte e seu criador quanto ao seu consumidor, o colecionador e as instituições.

Neste sentido nos perguntamos: estas fotografias apresentadas nesta página ilustram algum aspecto do nosso país? Nos dão alguma pista para pensar qual é o valor da arte fora do seu sistema? Ou refletem apenas a literalidade, a banalização e o descaso do lugar da arte e do artista no Brasil?

EM NOME DA ARTE é uma coleção sem fim, iniciada em 2014 na Bahia e que reúne fotografias feitas em diferentes cidades e Estados brasileiros. O ensaio aqui apresentado é um recorte dessa coleção, que atualmente conta com mais de cem imagens. Para esta primeira apresentação, seguiremos uma lógica de adição: sete novas imagens serão acrescentadas a cada semana, durante um mês. É um ensaio em construção como a própria coleção.

 

Denis Rodriguez e Leonardo Remor

Abril de 2017

 

*Essa postagem integra a residência de Leonardo Remor no Programa Pivô Pesquisa, financiada pelo projeto Não sou daqui, nem sou de lá: gestão, curadoria e residência artística em rede, contemplado pelo Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais 12ª Edição. O artista propõe uma residência compartilhada, através de encontros, conversas e apresentação de trabalhos. Ele nunca estará sozinho, sempre em diálogo com outros artistas convidados. A residência compreende um espaço expandido de tempo, uma pesquisa que acontece tanto física quanto virtualmente. Através de artistas, obras e ideias, Remor busca refletir sobre o lugar da prática da arte e a sua institucionalização. Denis Rodriguez é o primeiro convidado e juntos eles também coordenam o espaço Galeria Península, localizada em Porto Alegre, Brasil.